A place to call home

Um lugar para chamar de lar

Versão em português abaixo


For the past seventeen years, returning to my home country has been a bittersweet experience. The moment I land in Guarulhos Airport, after a long and sleepless flight (eleven and a half hours from London to be precise), and I find my parents on the other side, waiving with the biggest smile on their faces, I feel an indescribable relief. I remember coming back from Toronto for the very first time, where I had spent the last five months, and seeing a crowd of familiar faces all cheering me up. My entire family was there for the big welcome: uncles, aunts, cousins, godparents, old friends... congratulating me for having made it. I have always had the warmest reception, which has naturally become smaller and smaller, yet still very emotional.


I was lucky to have already turned fifteen when I left Brazil, as most kids going to vocational schools leave home as early as eleven years-old, but that doesn’t mean I didn’t miss my family terribly. In the years to come, I would slowly adjust to this new reality: the comings and goings, long flights, happy returns and very difficult departures. It is hard to believe that I have now lived abroad for longer than I lived in Brazil, and at one point, I even asked myself… Where exactly is home??!


Airport reception in 2004...

and in 2007.

I never really thought I would survive the distance, and I think nobody expected me to. I was very attached to my parents when I was little, and didn't enjoy going for sleepovers or long school trips. I had been right under my parents' wings for those fifteen years! We have always kept a tight family circle in fact, with aunts, uncles, first and second cousins and friends-who-are-like-family all coming together at every excuse for a celebration. My parents enjoy throwing a 'little party', so my happy returns have always been followed by a barbecue at home or some sort of celebratory gathering. I, on the other hand, was never a big fan of gatherings and must admit that, at first, it kind of bothered me that I was arriving home exhausted and jet legged and had to “entertain” the guests. But then I realised that it was actually the best way for me to see everyone, and truthfully, I really missed them.


Even though it is holiday time for me in Brazil, my agenda somehow always gets completely full! If it isn’t for visiting friends and family (easier to see them all at once to avoid disappointment), I'm at a doctors' appointment or dentist, spending a whole afternoon in the beauty salon since everything is A LOT cheaper in Brazil (a manicure costs me £4, while in London it is £25), taking ballet classes at Ballet Marcia Lago (my mom’s school) or even rehearsing for a performance.


Campos do Jordao Festival 2006 - La Fille Mal Gardée
Class with an audience, BML studios

Dad's birthday party - 2017

I love being able to dance at home so family and friends can see it, and feel honoured to be invited to do guest appearances in festivals, but I soon realised that having a proper rest in July (my summer holidays) is more important and beneficial for my health than if I am constantly working. I don’t go looking to perform anywhere, but if an invitation comes, I wouldn’t turn it down. There have also been occasions when I flew into Brazil just to be performing with Ballet Marcia Lago, very brief moments of great happiness and satisfaction.


Beauty & the Beast - BML 2017

When I moved to England and started out my career, I felt more independent. I was earning my wages as a dancer, fending for myself, and truly living my dream! Life became a lot more exciting and I really enjoyed the privacy of my flat, being able to easily get the bus anywhere, the fact that, in England, everything was done perfectly on time, and felt the security and support of being with an international ballet company. Every time I arrived back in Brazil, I would feel a bit misplaced, out of sorts. It still takes me a few days to situate myself, get used to the hot weather, which I always crave so much, but I think what affected me the most was feeling dependent on my parents to drive me everywhere and having to adapt to a very different rhythm.


Mom would always be dashing off somewhere, always late for her teaching and dragging me along, while dad would also make me late for my appointments and change his mind about our day plans at least five times. I was constantly rushing some place, doing ballet classes, or stuck in traffic, while I couldn't enjoy and relax just being at home. I guess now is the time to explain that, although I am a paulista, from Sao Paulo (the state), I don’t live in Sao Paulo city. My house is 40km (24.8 miles) from the big metropolis, near Atibaia.


Atibaia is located 45km north-east of São Paulo
known for strawberry crops cultivated mainly by Japanese descendants

Tucked away in the countryside, our home is a place of beautiful surroundings and immense peace. The family calls it Shangri-la, a remote and idyllic spot where life approaches perfection, where the sun shines brighter than anywhere else (literally). Uncle Edu built a house in Atibaia in 1983, and ten years later, my parents wished for a little piece of their own heaven. It is a place so full of memories, where I spent a childhood making mischief with my cousins, 'meeting' the neighbour’s calves, playing soccer in a grassy field, raising chickens occasionally, climbing up to treehouses, playing hide and seek with the few neighbours we had, and spending every sunny weekend or holiday, apart from maybe New Years.



In Brazil, people are very superstitious about New Years and tend to stick to old traditions that supposedly will bring them luck and prosperity. On New Year’s Eve, most people wear all white alluding to peace and spiritual purification, put on new lingerie with the colour of what they most want to attract (yellow for money, red for passion, etc.), eat a spoonful of lentil to bring in money, and if you are near the sea when the clock strikes midnight, you must jump seven waves as a little tribute to Iemanjá, the Queen of the Sea. Tradition has it that she will give you strength to overcome any obstacles you may face in the year to come. Having said that, I haven't been able to spend New Years 'the Brazilian way' in a long, long time.


When kids, playing at the beach

N.Y.E. in Peruibe 2007

My dad is the architect of our house, building it literally from the ground up, and in 1999, it would become our permanent home. Tired of all the stress and business of the big city, my parents decided to move there and commute every day to Sao Paulo. It takes less time for them to drive 40 km on the motorway than to cover a shorter distance in such awful traffic. I had just turned eleven when we moved there, and funny enough, I sort of resented the fact that I had to travel so much, as far as Sao Caetano do Sul, for ballet classes and private coaching. I’d leave home very early in the morning and get back late every single day, apart from Sundays. I never appreciated its surroundings as much as I do now, but I believe it also had to do with something we call ‘habituation’.



Human beings become accustomed to all that is routine. It happens all the time, even when you become a dancer with The Royal Ballet. There have been times when I took this amazing theatre for granted, and I thought this would never happen to me. The fact that we have a big stage that is ours, bright and spacious studios, a vast repertoire to choose from... yet, it all becomes normality. Going to the Royal Opera House felt like just another tiring workday. And just like that, I stopped appreciating Atibaia and overlooked the beautiful scenery that surrounded me because it was part of my everyday life. It is hard to keep seeing everything with fresh eyes, but truth is, if we want to be happy, we need to cultivate a sense of gratitude. The book I'm reading at the moment, The Gratitude Diaries by Janice Kaplan, reasserts just that, but it is something I have grown up with and learned first-hand from my parents.



In the past few years, my parents have settled into a less frantic pace of life. Every morning, they have breakfast together with the dining-room door wide open to the stunning view of Pedra Grande. Then, mom is off to the pond to feed her “little fat kids” - the carps. We have one Labrador - Oliver - and two adopted street dogs - Rita Cristina and José Miguel Lopez - who always come barking for food too. I often find my dad lost in his own thoughts, gazing into the picturesque landscape, and when asked whether the house is finished, both agree that, thirty years on, it is still a work in progress.


I used to think they should be saving money instead of spending it on building this and that (what more could you want besides the sun and a swimming pool?), but now I see that it gives them immense pleasure to plan every detail, make use of the space, and share it with family and friends. They actually enjoy every inch of it, and nothing is ever neglected. It is really about them feeling proud and blessed, and making the most of the present moment.



When I left Brazil for the first time, I never imagined that Atibaia would become my sanctuary, a tranquil place where I could recharge my batteries and reset my values. Nowadays, I make staying at home a priority, hence quarantining for two weeks was not a problem). I had plenty of nourishing food cooked by aunt Cida, who lives next door, lots and lots of sun, went swimming, played tennis with Leo and Carol, did yoga, had a good rest and much parental affection (I’m ashamed to say that they still spoil me like a princess). Unfortunately, it was not possible to see everyone this time around, but we are sure to make it count next time!


The real voyage of discovery consists not in seeking new lands but seeing with new eyes. - Marcel Proust

Well, now that I live miles away, Atibaia has turned into a little oasis, my place of refuge. I feel so fortunate to be there close to my family and admiring mountains and pasture, hearing birds sing, trying to take in all the energy the place emanates. The view is so beautiful, the kind that makes you feel grateful just to be alive. I believe nature has this power and influence on us, mere mortals. Whenever I'm there, I want to freeze time and forget that there is such thing as career and ambition. My grandma has made it quite clear that she thinks a return to my home country is long overdue, and sometimes I feel like she could be right. I could just drop everything and return to the arms of my dear ones. But we all know that life is not simple, and I think it is just a little too late... my heart also finds itself here, in London.



It gets harder and harder to leave my family, I must admit, but I have tried to come to terms with the fact that it is just how this life goes (t's been years and years of practise). We say our goodbyes and I can hardly look back, swallowing my tears as I approach customs. I can’t imagine how hard it must be for my parents too, but they understand that while I’m happy and fulfilled with my job and life in London, our sacrifice is worth making.


School days in Toronto

with Kevin, Leo and Carol in SP Jan 2017

I always come back to London with renewed faith, and it feels as if I’m experiencing it for the very first time again. I realise that I have actually missed my English life - my cozy flat, my boyfriend, my day-to-day routine… I feel so grateful for having a job here, and what a job!! The Royal Opera House is something out of this world. It is strikingly unusual for us, Brazilians, to be able to say that this is where we work. I believe I have only gotten this far because, at every step of the way, every turn of the road, I thought… This has to be worthwhile!


I understand now that there isn’t just one place we can call home. My home is here and there, in my new, exciting adventures in English soil, and in the colourful places of my childhood.


Atibaia, January 2021

Click here to read about my time as a young dancer at Canada's National Ballet School.


Sumaúma was choreographed by Thiago Soares to beautiful scores of Heitor Villa-Lobos and Ernesto Nazareth, two renowned Brazilian composers. Here are some clips of a very special performance I did with Thiago at Festival Vermelhos in Ilha Bela, 2018, with Marcelo Brakte on the piano.




#lifestyle #journey #travel #family #career

Um lugar para chamar de lar


Nos últimos dezessete anos, retornar ao meu país de origem tem sido uma experiência bittersweet, uma mistura de felicidade e tristeza. No momento em que desembarco no aeroporto de Guarulhos, após um longo e desconfortável vôo (onze horas e meia de Londres, para ser precisa), e encontro meus pais do outro lado acenando com o maior sorriso no rosto, sinto um alívio indescritível. Lembro-me de voltar de Toronto pela primeira vez, depois de passar cinco meses estudando fora, e ver uma multidão de rostos familiares me felicitando. Minha família inteira estava lá para a grande recepção: tios, tias, primos, padrinhos, velhos amigos... me parabenizando por ter conseguido passar dessa primeira etapa. Sempre tive a recepção mais calorosa, que naturalmente foi se tornando cada vez menor, mas que continua cheia de grandes emoções.

Tive a sorte de já ter completado quinze anos quando saí do Brasil, pois a maioria dos bailarinos vão para a escola profissionalizante desde os onze anos, mas isso não significa que eu não tenha sentido muita falta da minha família. Nos anos que viriam, aos poucos me ajustaria a esta nova realidade: as idas e vindas, os voos longos, os retornos felizes e as partidas muito sofridas. É difícil acreditar que já moro há mais tempo no exterior do que morei no Brasil e, a certa altura, até me perguntei ... Onde é exatamente a minha casa?!

Eu realmente nunca pensei que sobreviveria a distância, e acho que ninguém esperava isso de mim. Era muito apegada aos meus pais quando pequena, nunca gostei muito de dormir na casa das amigas ou de viagens escolares de fim de semana. Eu mal tinha saído das asas de meus pais nesses quinze anos! Sempre mantivemos um círculo familiar bem próximo, na verdade, com tias, tios, primos de primeiro e segundo graus e amigos de infância, todos reunidos a cada pretexto. Meus pais gostam de uma festinha, e aqueles felizes retornos sempre foram seguidos por um churrasco em casa ou algum tipo de reunião comemorativa. Eu, por outro lado, nunca fui grande fã de festas e devo admitir que, num primeiro momento, sentia-me incomodada de chegar em casa exausta, com o fuso confuso, tendo que dar atenção aos convidados. Mas então, percebi que era a melhor maneira de garantir revê-los e que, na verdade, eu realmente sentia muita falta de todos.

Mesmo sendo férias para mim no Brasil, minha agenda costuma ficar sempre lotada! Se não é visitando amigos e familiares (mais fácil vê-los todos de uma vez e evitar decepções), é indo à consultas médicas ou dentista, passando uma tarde inteira no salão de beleza já que tudo é MUITO mais barato no Brasil (uma manicure em Londres custa pelo menos R$150), tendo aulas de balé no Ballet Marcia Lago (a escola da minha mãe) ou mesmo ensaiando para uma apresentação de última hora.

Adoro poder dançar em casa para que a família e amigos possam assistir, e me sinto honrada em ser convidada para fazer participações em festivais, mas logo percebi que ter um descanso adequado em julho (minhas férias de verão) é mais importante e benéfico para minha saúde do que se estivesse constantemente “trabalhando”. Não procuro por maneiras de me apresentar, mas se recebo um convite, é difícil recusar! Também já houveram ocasiões em que voei para o Brasil apenas para me apresentar com o Ballet Márcia Lago, momentos muito breves mas de grande alegria e satisfação.

Quando me mudei para a Inglaterra e iniciei minha carreira, me senti muito independente. Estava ganhando meu salário como bailarina, me defendendo sozinha e realmente vivendo meu sonho! A vida ficou muito mais emocionante, e eu curtia muito a privacidade do meu flat, poder pegar o ônibus com facilidade para qualquer lugar, o fato de na Inglaterra tudo ser feito perfeitamente na hora, e sentia uma segurança e apoio por estar empregada em uma companhia de balé internacional. Cada vez que eu voltava ao Brasil, me sentia um pouco perdida e irritada. Ainda demoro alguns dias para me situar, até me acostumar com o calor, que sempre desejo tanto, mas acho que o que mais me afetava era sentir-me dependente dos meus pais para me levar a todos os lugares e ter que me adaptar a um ritmo de vida bem diferente.

Minha mãe andava sempre correndo pra lá e pra cá, sempre atrasada para suas aulas e me arrastando junto, enquanto meu pai também me atrasava para meus compromissos e mudava de ideia sobre nossos planos do dia pelo menos umas cinco vezes. Eu estava constantemente correndo para algum lugar, fazendo aulas de balé, ou presa em um trânsito insuportável, enquanto não conseguia aproveitar e relaxar apenas ficando em casa. Acho que agora é a hora de explicar que, embora eu seja paulista, não moro na cidade de São Paulo. Minha casa fica 40km a nordeste da grande metrópole, próxima a Atibaia, que é conhecida por suas safras de morango cultivadas principalmente por descendentes de japoneses.

Escondida no campo, nossa casa é um lugar de belas paisagens e imensa paz. Nossa família a chama de Shangri-la, um local remoto e idílico onde a vida se aproxima da perfeição, onde o sol brilha mais forte do que em qualquer outro lugar (literalmente). Tio Edu construiu sua casa de Atibaia em 1983 e, dez anos depois, meus pais desejaram um pedacinho de seu próprio paraíso. É um lugar tão cheio de lembranças, onde passei minha infância fazendo travessuras com os primos, ‘conhecendo' os bezerros do vizinho, jogando futebol no gramado, criando galinhas de vez em quando, subindo em casas na árvore, brincando de esconde-esconde com os poucos vizinhos que tínhamos, e passando ali os fins de semana e feriados, exceto talvez o Ano Novo.

No Brasil, as pessoas são muito supersticiosas sobre o Ano Novo e se apegam a antigas crenças que supostamente lhes trarão sorte e prosperidade. Na véspera de Ano Novo, a maioria se veste toda de branco, aludindo à paz e à purificação espiritual, com lingerie nova da cor que mais deseja atrair (amarelo para dinheiro, vermelho para paixão, etc.), come uma colher de lentilha para garantir dinheiro, e se você estiver perto do mar quando o relógio bater meia-noite, deve pular sete ondas como uma pequena homenagem a Iemanjá, a Rainha do Mar. De acordo com a tradição, ela lhe trará força para superar quaisquer obstáculos que você possa enfrentar no ano que está por vir. Tendo dito isso, eu não sou capaz de passar o Ano Novo do jeitinho brasileiro há muito, muito tempo.

Meu pai é o arquiteto da nossa casa, literalmente construindo-a do zero, e em 1999, ela se tornaria nosso lar permanente. Cansados ​​de todo o estresse e correria da cidade grande, meus pais decidiram se mudar para lá e viajar todos os dias para São Paulo. Leva menos tempo para percorrerem 40 km na rodovia Fernão Dias do que cobrir uma distância menor no trânsito terrível de São Paulo. Eu tinha acabado de completar onze anos quando nos mudamos para lá, e o engraçado é que ressentia o fato de ter que viajar tanto, até São Caetano do Sul, para aulas particulares de balé. Saía de casa muito cedo e voltava tarde todos os dias, exceto aos domingos. Nunca apreciei tanto seus arredores como agora, mas acho que isso também pode ter a ver com algo que chamamos de 'habituação'.

O ser humano se acostuma com tudo que é rotina. Isso acontece o tempo todo, mesmo quando você se torna bailarino do Royal Ballet. Cheguei ao ponto de não dar o devido valor a esse incrível teatro, e achava que isso nunca aconteceria comigo. Temos um grande palco que podemos chamar de nosso, estúdios luminosos e espaçosos, um vasto repertório para escolher ...no entanto, isso torna-se normal. Ir à Royal Opera House se parece apenas como mais um dia cansativo de trabalho. Da mesma maneira, parei de valorizar Atibaia e de contemplar a bela paisagem que me cercava porque fazia parte do meu dia a dia. É difícil ver tudo com novos olhos, mas a verdade é que, se queremos ser felizes, precisamos cultivar um senso de gratidão. O livro que estou lendo no momento, O Poder da Gratidão de Janice Kaplan, reafirma exatamente isso, mas é algo com o qual cresci e aprendi de meus pais.

Nos últimos anos, meus pais adotaram um ritmo de vida menos frenético. Todas as manhãs, eles tomam café juntos com a porta da sala de jantar escancarada para a vista deslumbrante da Pedra Grande. Em seguida, minha mãe vai até o laguinho para alimentar seus “filhos gordinhos” - as carpas. Temos um labrador - Olliver - e dois cães de rua adotivos - Rita Cristina e José Miguel Lopez - que sempre vêm latindo por comida também. Muitas vezes, encontro meu pai com aquele olhar distante, admirando a paisagem pitoresca, e quando questionados se a casa está finalmente pronta, ambos concordam que, mesmo passados trinta anos, ainda é um projeto em andamento.

Eu costumava pensar que eles deveriam estar economizando dinheiro em vez de gastá-lo na construção disso e daquilo (o que mais alguém poderia querer além de sol e piscina?), mas agora vejo que lhes dá enorme prazer planejar cada detalhe, fazer uso do espaço, para compartilhá-lo com a família e amigos. Eles curtem tudo, cada milímetro, nada é esquecido. É realmente sobre sentirem-se orgulhosos e abençoados, e aproveitarem ao máximo o momento presente.


Quando saí do Brasil pela primeira vez, nunca imaginei que Atibaia se tornaria o meu santuário, esse lugar tranquilo onde poderia recarregar as baterias e reajustar meus valores. De uns tempos para cá, faço questão de priorizar ficar em casa, portanto, fazer quarentena por duas semanas não foi um problema para mim). Comi muita comida saudável e saborosa preparada por tia Cida, que mora ao lado, tomei muito sol, nadei na piscina, joguei tênis com o Leo e Carol, fiz yoga, tive um bom descanso e recebi muito carinho dos meus pais (sinto-me envergonha de dizer que ainda me mimam como uma Princesa). Desta vez não pude ver todo mundo, mas faremos valer a pena essa espera!


‘A verdadeira viagem de descobrimento não consiste em procurar novas paisagens, e sim em ter novos olhos.’ Marcel Proust

Pois é, agora que moro a quilômetros de distância, Atibaia virou um pequeno oásis, meu refúgio. Sinto-me muito feliz por estar ali próxima a minha familia e podendo admirar as montanhas e pastagens, ouvindo o canto dos pássaros, absorvendo toda a energia que o lugar emana. A vista é tão linda, do tipo que faz você se sentir grato por apenas estar vivo. Acredito que a natureza tenha esse poder e influência sobre nós, meros seres mortais. Sempre que estou ali, quero congelar o tempo e esquecer que existe carreira ou ambição. Minha avó já deixou bem claro que acha que meu retorno ao meu país já deveria ter sido feito há muito tempo, e às vezes sinto que ela pode até estar certa. Eu poderia simplesmente largar tudo e voltar para casa, para os braços dos meus entes queridos. Mas todos nós sabemos que a vida não é tão simples assim, e que agora já é um pouco tarde demais... meu coração também se encontra aqui, em Londres.

Está cada vez mais difícil deixar minha família, tenho que admitir, mas eu já me conformei com essa vida (anos e anos de prática). Falo tchau e mal olho para traz, engolindo minhas lágrimas enquanto me aproximo da alfândega. Não consigo imaginar como essas despedidas devem ser difíceis para meus pais também, mas sabemos que, enquanto eu estiver feliz e realizada com meu trabalho e minha vida aqui, vale a pena o sacrifício.

Sempre volto a Londres com fé renovada, e parece que estou vivenciando tudo pela primeira vez novamente. Percebo que realmente sinto falta da minha vida inglesa – minha casinha aconchegante, meu namorado, minha rotina do dia a dia ... Sinto-me muito grata por ter um emprego aqui, e que emprego!!! A Royal Opera House é algo fora deste mundo; é extremamente incomum para nós, brasileiros, poder dizer que é aqui que trabalhamos. Acho que só cheguei até aqui porque, a cada passo do caminho, a cada curva da estrada, pensei ... Isso tem que valer a pena! Agora entendo que não existe apenas um lugar para chamarmos de lar. Minha casa está aqui e ali, em minhas novas e emocionantes aventuras em território inglês e nos lugares coloridos da minha infância.


Clique aqui para ler sobre meus anos de aprendizado na escola nacional de ballet do Canada.


Veja acima videos de uma apresentação no Festival Vermelhos de Ilha Bela de 2018, ao som de compositores brasileiros Villa Lobos e Nazareth.

202 visualizações

Deixe-me saber o que você pensa

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com