It all started with grandma's tutu

Tudo começou com o tutu da vovó

Versão em português abaixo.


While writing my last post on the significance of dance for me, I couldn’t help but take a trip down memory lane. It took me way, way back to the very beginning. Did I always like dancing? How did it all start? All my life, I have blamed my mom for getting me into ballet, especially in moments of struggle when I'd think.. ‘why did I choose this?! This is too hard!’ My mom, Marcia Lago, danced professionally with Ballet Clássico de São Paulo, directed by Dame Halina Biernacka. When I was born, she was still very much active as a dancer, whilst also managing her own school, Ballet Marcia Lago, since she was eighteen years old.


'A cada passo uma lembrança' 1985

It is only natural that mom would introduce me to ballet, but as much as I wanted to have someone to blame for me following this path, I've seen plenty of evidence that, as a toddler, all I did was dance around the house. My parents tell me that I’d want to spend all day, every day, in pink leotard and tights. My favourite video, out of many recordings, is one of us in maternity hospital, the day after Leo was born ( I was three years old), doing glissade glissade pas de bourée around the room, looking all cute in my white dress with orange polka dots, hair neatly tied up with a ribbon… and a few hours later, you find my hair in a mess, I’ve stripped down to my knickers and I’m tap dancing, holding a bag twice my size, pretending to be Marry Poppins!


I’ve seen such precious footage of me watching mom’s school shows and attempting to mimic the dancers on screen. There I am, trying to copy as best as a three-year-old can, when suddenly you hear a familiar voice from beyond…

‘Vai, fica esperando. Ja vai começar..vai. Olha lá! Olha o bracinho. E o outro bracinho… olha na mãozinha, hein?! Isso amor. Agora aquele que vai pra frente, vamos lá. Isso! Vai, bem bonita.’


... 'now follow your arm and look at your hand. That's it, sweetie. Let's go. Now the step going forwards, that’s it!'


Side note: perhaps I did have a little encouragement from my mom? However, the cherry on the cake was the day grandma Hilda presented me with a 'real' ballerina tutu she had stitched together herself. There was no turning back now!



Cultivating Love

My first performance was Coppelia, I was a little doll in Act II. This ballet has a special place in my heart as I danced it a lot with my friends back home. The end-of-year performances with Ballet Marcia Lago became my favourite thing in the world! I loved the coach trip to the theatre, the general rehearsals in costume, spending all day in that mad rush of putting things together last minute. I don't think I was ever much help to my poor parents on the technical side of things, but when it came to show time, I gave it my all! The spotlights, quick changes in the wings, having fun on stage with my friends, the adrenaline... I loved everything about it and looked forwards to it every year.


With mom and dad in Coppelia 1991

Those were happy, wonderful years, when I had no worries or expectations. I did tap dancing, flamenco, and jazz, as well as ballet. It was pure love for dancing! Mom wasn’t my teacher until I was about eight years old as she only taught the older students, but I’m sure she was notified by tia Lu and tia Igla on my progress. I remember how excited my friends and I were for finally making it to the burgundy headband (we used to have different coloured headbands for each grade) and to be taught by the one and only Marcia Lago. My love for dance grew more and more each year, and I have kept a cute little note that I wrote to myself in 1997, at 9 years old.


Note to self: I want to be the best Brazilian ballerina just like mom
Learning from mom the foundations of ballet technique and artistry

I then began to get some featured roles in the school performances. Everyone assumed it was because I was ‘the principal’s daughter’, but I don’t think I got treated any differently than the others. On the contrary! When we misbehaved in class, I was always the first one to get told off and sent to the ‘office’ (that only happened once, but I got so upset I never forgot it). My costumes were never ready in time, they were always the very last ones to be made (since my mom wouldn’t complain). What bothered me most was that my friends started turning their backs on me for all the ‘special attention’ I was getting. It was then, I believe, that I decided to focus even more on being the best dancer I could be, so that there would be no reason for gossiping or complaints, or at least nothing backing them up.


I'm making it sound like they were the bad guys, but it is not that. I find it only natural that kids behave that way. We got over this phase pretty quickly and were to build lifetime friendships, dancing together for many years to come. We participated in various competitions, my favourite being in Campos de Jordão, where we’d spend hours chatting away in our hotel rooms, playing games and messing around when we should have been resting. It was in Campos where I danced my very first variation (and got a horrendous score), and where I had the most fun dancing Tico-Tico no Fubá with Léo Sandoval.



There were also the days of tv stardom! We became regular guests at Pequenos Brilhantes and Bom dia & cia. I have such fun memories from that time, I remember being picked up by 'SBT' vans, getting our makeup and hair done for us, anxiously standing by to be called last minute (no need to follow the schedule, right?), dancing with cameras in our faces and recording four, five, six takes (that part wasn’t very fun), walking behind-the-scenes trying to spot celebrities, and at the end of a long day, getting chocolate milkshake from Bobby’s! Plus, I got to miss school! Life was pretty good.


'Behind-the-scenes' in Bom Dia e Cia, SBT.

When I started lessons with M. Toshie Kobayashi, things got a 'little bit' more serious. I had just turned eleven years old when Heloaldo, an old friend of my mom, saw me at a tap-dance festival in Piracicaba (countryside of Brazil), and noticing I had a talent for music and dance, he suggested mom took me to see this renowned teacher. I ‘auditioned’ for Toshie in her studio in Sao Caetano do Sul with a solo created by Heloaldo, and she agreed to meeting me once a week for private lessons.


Mestra Toshie Kobayashi 1946-2016

Every Tuesday, grandpa would drive me across the city to see her. Even though it took me some time to adjust to Toshie's methodology, we forged a partnership that would bring out the best in each other. She was very strict, not to say a little scary. In the beginning, I used to cry in every lesson. I cried not because I was afraid of her (maybe a little), but out of anger and frustration with myself for thinking I wasn't living up to her expectations. The crying continued for quite some time, until it got to the point of her saying:


‘If you don’t stop sobbing, I’m going to have to tell your mother we can’t carry on with these lessons. Is this what you want, Isabella?’


I had to swallow my tears and toughen up. No, I did not want to stop. Once she saw I was fully committed, she taught me what she knew best, and what I value most in myself today.


It all starts with Discipline

‘You’ve got to have discipline, Isabella. Discipline is everything.’

This was her philosophy: you reap what you sow. I didn't see myself as having high extensions, super arched feet, a natural turn out and such. She made me believe that if I worked diligently, I could achieve anything. 'TECHNIQUE, Isabella!', she used to say to me. Some days I'd feel so dizzy and nauseous from the humidity and the psychical exertion, and she would tell me to seat down and lower my head until I felt well enough to continue. Her motto was 'Cry today so you can smile tomorrow'. She taught me the importance of everyday ballet training and used to say.. ‘An audience can tell if you don’t do class every day.’ I have a long list of quotes and an ocean of memories, but not a single photo of us working together in the studio. It is all kept here, inside my heart. I do have, though, a rough draft of a birthday card I must have written to her the year we met.

'I would like, from the bottom of my heart, to be a great ballerina. And with your help, I hope to succeed.'
Concentration is key

When I started competing, I began to compare myself with others and feel very insecure. I realised with time that if I focused on myself, I could avoid feeling intimidated. My mom always encouraged me to avoid drama and gossiping, to focus on getting warm and ready for dancing and not on what everybody else was doing. Ballet, especially when it comes to being on stage, requires high level of concentration, which was always highly emphasised by my mentors. Toshie used to make us balance in passé or arabesque, at the end of pretty much every exercise at the barre, wanting us to achieve a meditative state of calm and total focus. She would purposefully start my variations with me balancing on pointe in fourth or fifth positions. Sometimes, the music wouldn’t start straight away, so I’d have to balance for what felt like an eternity! It was a good way to bring complete focus to what I was about to do.


My first big ballet competition was Festival Meia Ponta, in Joinville. When I got to the stage rehearsal, I saw a girl my age doing arabesque hops on pointe and turning five pirouettes. I remember thinking.. ‘what the hell am I doing here?!’ A few days later, in the auditorium of Centreventos Cau Hansen, mom and I waited anxiously for the results. When they revealed I had won first place, we were overjoyed!!! Two crazies hugging and screaming in the middle of a massive covered gymnasium sitting thousands of people. We just couldn’t wait to tell grandma Nilva and grandaunt Cida, our travelling companions, who sat waiting in the car. I had already been to many other competitions but this was an international event, and the fact that we had driven eight hours to get there.


Waiting for the music to start my variation. Competing in Joinville for the second time, in 2001

It is a particularly empowering thing to feel your talent recognized by those outside your circle of friends, family, and teachers. All of a sudden, everything felt more real. I was becoming the ballerina I always wanted to be, but I was never very confident. I felt a constant need for approval, someone telling me that I was good, and that it wasn’t just in my head. The competitions were a treat, as I was getting lots of complements, but little did I know that I was treading on thin ice.


It was then that I started getting really anxious before going on stage, and crying every time I realised someone who I considered better than myself would be performing right before me. There are crashing moments in the life of a young ballerina, and after the glory of winning two years in a roll in the junior division, the 20º Festival de Dança - the real deal - would turn out to be a big disappointment.


Perseverance, the secret of all triumphs

I was now competing on the main stage of Centreventos Kau Hansen and felt the pressure on my shoulders. Toshie wasn’t making things any easier, saying there would be people watching my every move, on and off stage. No wonder I got so paranoid! I was struggling with the voice in my head telling me that I had to do well, I had to prove I was good. I was quite pleased with my performance in the end, but I came second in neo-classical solo (with no winner) and second to last place with my repertoire solo. Unfairly, our group number Gavotte didn't get any classification either. It was absolutely devastating.

I started to wonder why there were times when I didn’t think I performed so well and I'd win, and times when I thought I had done really well and scored so badly. This would eventually teach me an important lesson: results don't mean a thing! And it doesn’t matter what people think either, what matters is that you do your best and feel happy about it. It is no good to focus on the outcome, but to see it all as a learning experience.


I recovered from the blow and soon moved on into preparing six classical variations and two contemporary solos for Premio Cecilia Kerche, a big event organised by Stars Dance. That year, they had an international jury, and this tiny detail would unexpectedly change the course of my life forever. I’d win second place and be one of the first young dancers to be representing Brazil in the Youth America Grand Prix in New York, where I’d win gold medal and a scholarship to study abroad.


Prêmio Cecilia Kerche in Osvaldo Cruz, 2002
Humility

The only time I really felt I had made Toshie proud was after winning YAGP. For the first time, we were allowed to talk about it and celebrate. Every time I’d win any competition, Toshie wouldn't even acknowledge it and would actually start ignoring me in class. Usually she would be on my case, giving me corrections and shouting my name across the studio, but then all of a sudden, she’d start giving me the cold shoulder. This bugged me a lot and I was always wondering if I’d done something to upset her, but I concluded it was just her way of saying that she didn't care about the medals, that there was still a lot of work to be done. She didn’t want success to go to my head.


'Work with honesty, and always be humble, Isabella.'


'‘The union between M. Toshie Kobayashi’s experience and dedication to Isabella’s talent and effort, made the results of this work emerge’

Becoming a ballerina will always be a work in progress, and to be humble is to allow yourself to keep learning, admitting your strengths and flaws, and working hard to improve. No one is better than or deserves more than anyone else. If you work honestly and diligently, people will know who you truly are.


Looking back on my first ballerina steps, I realise how far I've come! When I look at these photos, all the emotions I felt back then start to resurface. In our busy lives, we seldom stop and reflect on our past experiences, our lessons, and the dreams we carried so dear in childhood. Have we realised them all? Is there more worth fighting for?

I just finished reading Michelle Obama's memoir, Becoming, and found many things resonated with me. A few extracts I highlighted from her epilogue:


'Becoming is never giving up on the idea that there's more growing to be done.'


'There is power in allowing yourself to be known and heard, in owning your unique story, in using your authentic voice. And there's grace in being willing to know and hear others.'


Thank you for allowing me to share my story. And a huge thanks to my parents, who have been looking through old photos and papers, scanning and sending them all to me.


As a last little treat, my parents found a video we put together sixteen years ago.


#dance #ballet #ballerina #life #challenges #achievements #love #dedication #concentration #perseverance #humility #sharing #stories #memories


If you want to subscribe to my blog and receive updates on my posts, you can find a subscription form at the bottom of my home page! :)


Tudo começou com o tutu da vovó

Ao escrever meu último post sobre o significado da dança para mim, fui viajando e viajando no túnel do tempo, lembrando de toda a minha infância. Eu sempre gostei de dançar? Como é que tudo isso começou? Durante toda a minha vida, culpei minha mãe por ter me iniciado no balé, especialmente em momentos mais difíceis em que pensava ... 'Por que escolhi isso?! O balé exige demais!’ Minha mãe, Marcia Lago, dançou profissionalmente com o Ballet Clássico de São Paulo, dirigido por Dame Halina Biernacka . Quando eu nasci, era ainda muito ativa como bailarina, além de administrar sua própria escola, o Ballet Marcia Lago, desde os dezoito anos.


É natural que minha mãe me apresentasse ao ballet, mas, por mais que eu quisesse culpar alguém por escolher esse caminho, as evidências mostram que, desde criança, tudo o que eu fazia era dançar pela casa. Dizem que eu gostava de passar o dia todo, todos os dias, de collant rosa e meia-calça. Meu vídeo favorito é um que estamos na maternidade, dia seguinte ao nascimento do Leo (eu tinha três anos de idade), e eu fazendo glissade glissade pas de bourée pelo quarto, tão fofa com meu vestido branco de bolinhas alaranjadas, cabelo bem feitinho com um laço… passam-se algumas horas e apareço de cabelo todo bagunçado, só de calcinha, sapateando com uma bolsa que é o dobro do meu tamanho, fingindo ser Marry Poppins!

Temos filmagens tão preciosas, várias deu assistindo as apresentações da escola da minha mãe e tentando imitar os bailarinos na televisão. Lá estou eu, tentando copiar da melhor forma possível para uma criança de três anos, quando de repente, uma voz surge do além ...

' Vai , fica esperando . Ja vai começar .. vai . Olha ! Olha o bracinho . E o outro bracinho olha na mãozinha , hein ?! Isso amor . Agora aquele que vai pra frente. Isso ! Vai, bem bonita.'


Só para deixarmos registrado: talvez eu tenha recebido, sim, um leve empurrãozinho da minha mãe? No entanto, a gota d’água foi o dia em que minha avó Hilda me presenteou com um tutu de bailarina 'de verdade', que ela mesma costurara. Agora sim tudo estava perdido!

Cultive o amor


Minha primeira apresentação foi em Coppelia , eu era uma bonequinha. Este balé ocupa um lugar especial no meu coração, pois eu o dancei bastante com minhas amigas ao longo da minha adolescência. As apresentações de fim de ano do Ballet Marcia Lago se tornaram a melhor coisa do mundo! Eu adorava ensaiar no palco de figurino, passar o dia todo no teatro naquela correria doida com milhões de coisas sendo feitas de última hora. Acho que nunca fui grande ajuda para os meus pais com a parte técnica, mas quando chegava a hora do espetáculo, eu dava tudo de mim! Adorava estar no palco com meus amigos, e esperava ansiosamente por isso todo fim de ano.


Foram anos felizes e maravilhosos, em que não haviam preocupações ou expectativas. Eu dançava sapateado, flamenco e jazz, além de balé. Era puro amor pela dança! Minha mãe não foi minha professora até eu completar oito anos de idade pois ela só ensinava as turmas avançadas, mas estou certa de que ela ficava a par do meu progresso com tia e tia Iglá. Lembro-me de como eu e minhas amigas ficamos radiantes por finalmente chegar à faixa bordô (na época, cada turma usava uma faixa e as cores indicavam que nível) e sermos alunas da Marcia Lago. Meu amor pela dança cresceu cada vez mais, e guardo uma pequena anotação que escrevi para mim mesma em 1997, aos 9 anos de idade. (Veja foto acima)

Comecei a ganhar papéis de destaque nas apresentações da escola. Todo mundo deduzia que era por eu ser 'a filha da diretora', mas acho que nunca fui tratada de maneira especial por isso. Muito pelo contrário! Quando nos comportávamos mal na aula, eu era sempre a primeira a ser repreendida e levada ao 'escritório' (isso só aconteceu uma vez, mas fiquei tão chateada que nunca mais me esqueci). Meus figurinos nunca ficavam prontos a tempo, já que minha mãe não ia tirar satisfação. O que mais me incomodava era o fato de que minhas amigas começavam a me dar as costas por toda a 'atenção' que eu estava recebendo. Foi então, acredito, que decidi me concentrar ainda mais em ser a melhor bailarina que eu podia ser, para que não houvessem motivos para fofoca ou reclamações.


Parece até que estou dizendo que eram malvadas, mas não é bem isso. É natural que crianças se comportem dessa maneira. Superamos essa fase rapidamente e nossas amizades se fortaleceram. Continuamos a dançar juntas por muitos anos, participando de várias competições da RV Promoções . Minha favorita era a de Campos de Jordão , onde passávamos horas batendo papo e brincando no quarto de hotel, fazendo farra quando deveríamos estar descansando. Foi em Campos onde dancei minha primeira variação (tirei uma nota horrorosa), e onde me diverti dançando Tico-Tico no Fubá com Léo Sandoval.

Houveram também nossos dias de estrelas de TV! Éramos convidados especiais do Pequenos Brilhantes e Bom dia & cia . Tenho tantas lembranças boas daquela época, das vans do 'SBT' que vinham nos pegar, da maquiagem e cabelos feitos por profissionais, de esperarmos ansiosos pela chamada ao set (que podia ser a qualquer momento), de dançarmos com as câmeras em nossos rostos gravando quatro, cinco, seis tomadas (essa parte não era tão divertida), e andar nos bastidores procurando por celebridades, e no final de um longo dia, ir comprar milk-shake de chocolate da Bobby's! Que vida boa, ainda mais tendo a desculpa de faltar na escola.

Quando comecei as aulas com dna Toshie Kobayashi, as coisas ficaram um pouco mais sérias. Eu tinha 11 anos quando Heloaldo, um velho amigo da minha mãe, me viu em um festival de sapateado em Piracicaba e, percebendo que eu tinha muito talento para música e dança, sugeriu que minha mãe me levasse para conhecer a renomada mestra. Fiz uma espécie de "audição" para Dona Toshie em sua sala de aula, com um solo preparado por Heloaldo, e ela concordou em me dar aulas particulares uma vez por semana.

Todas as terças-feiras, eu e meu avô cruzávamos a cidade até São Caetano do Sul para vê-la. Mesmo que tenha levado um tempo para eu me ajustar à metodologia de Toshie, nós criamos uma parceria e tanto. Ela era muito rigorosa, para não dizer um pouco assustadora, e no começo eu chorava em todas as aulas. Chorava não porque tinha medo dela (talvez um pouco), mas por raiva e frustração comigo mesma por achar que não correspondia às expectativas dela. A choradeira continuou por um bom tempo, até que chegou ao ponto dela dizer: 'Se você não parar de soluçar, vou ter que dizer à sua mãe que não podemos continuar com essas aulas. É isso que você quer, Isabella?' Eu tive que engolir minhas lágrimas e amadurecer rápido. Não, eu não queria parar ali. Uma vez que viu que eu estava totalmente comprometida, ela me ensinou o que sabia de melhor, e o que mais valorizo hoje.

Tudo começa com a disciplina

'Você precisa ter disciplina, Isabella. Disciplina é tudo.’

Essa era sua filosofia: você colhe o que planta. Eu não me via como super dotada de flexibilidade, colo de pé absurdo, naturalmente en dehors ou nada assim. Ela me fez acreditar que, se eu trabalhasse diligentemente, conseguiria qualquer coisa. 'TÉCNICA, Isabella!', costumava dizer. Houveram dias em que me sentia tonta e enjoada do calor e tanto esforço físico, e ela me dizia para sentar, por a cabeça entre os joelhos, até me sentir bem o suficiente para continuar.  Seu lema era "Chore hoje para que possa sorrir amanhã". Ela me ensinou a importância das aulas de balé e dizia: 'Uma platéia pode notar se você não faz aula todos os dias.' Tenho uma longa lista de frases que ela costumava dizer e um oceano de lembranças, mas não possuo uma única foto de nós duas trabalhando juntas. Está tudo guardado aqui, dentro do meu coração. No entanto, tenho um rascunho de um cartão de aniversário que devo ter escrito para ela no ano em que nos conhecemos. (Veja foto acima)

Concentração é essencial

Quando comecei a competir no balé, eu me comparava muito com os outros e me sentia muito insegura. Percebi, com o tempo, que se focasse em mim mesma, poderia evitar me sentir intimidada. Minha mãe sempre me incentivou a evitar dramas e fofocas, a concentrar-me apenas em me aquecer e me preparar, e não no que os outros estavam fazendo. O balé, em especial um espetáculo, exige um alto nível de concentração. Isso foi sempre enfatizado pelos meus professores. Toshie costumava nos fazer ficar em balance por longos minutos em passé ou arabesque, no final de praticamente todos os exercícios da barra, querendo que alcançássemos um estado meditativo de calma e controle. Ela propositalmente começava minhas variações com um equilíbrio na ponta em quarta ou quinta posições. Às vezes, a música não começava imediatamente e eu tinha que me equilibrar pelo que parecia uma eternidade! Foi uma boa maneira de trazer o meu foco àquilo que estava prestes a fazer.

Meu primeiro grande festival foi o Festival Meia Ponta de Joinville. Quando cheguei aos ensaios de palco, vi uma garota da minha idade fazendo saltinhos na ponta em arabesque e girando cinco piruetas. Lembro de pensar .. 'que diabos estou fazendo aqui ?!' Alguns dias depois, no auditório do Centreventos Cau Hansen, minha mãe e eu esperavamos ansiosamente pelos resultados da minha categoria. Quando revelaram que eu havia conquistado o primeiro lugar, ficamos super felizes!!! Duas malucas se abraçando e gritando no meio de um enorme ginásio coberto cercadas de milhares de pessoas. Mal podíamos esperar para contar à vovó Nilva e tia Cida , nossas companheiras de viagem, que esperavam no carro. Eu já havia participado de muitos outros festivais, mas esse era um evento internacional, sem falar no fato de termos viajado oito horas de carro para chegar até lá.

É algo estimulante sentir o seu talento reconhecido por pessoas fora do seu círculo de amigos, familiares e professores. De repente, tudo se tornou mais real. Eu me senti a bailarina que sempre quis ser, mas nunca fui muito confiante. Sentia uma necessidade constante de aprovação, alguém para me dizer que eu era boa e que isso não estava apenas na minha cabeça. As competições eram divertidas, pois comecei a receber muitos elogios, mas mal sabia eu que estava pisando em gelo fino.

Foi então que comecei a ficar ansiosa demais antes de subir ao palco, e chorar toda vez que via alguém que eu considerava melhor do que eu a se apresentar logo antes de mim. Há momentos difíceis na vida de uma jovem bailarina e, após duas medalhas de ouro nos Festivais Meia Ponta e anos se destacando nos palcos da vida, o 20º Festival de Dança acabaria sendo uma grande decepção.

Perseverança, o segredo de todos os triunfos


Agora que eu competia no palco principal do Centreventos Kau Hansen, sentia o peso da responsabilidade, e Toshie não estava ajudando. Ela dizia que haviam olheiros nos seguindo o tempo todo, dentro e fora do palco. Não é à toa que fiquei tão paranóica! Eu lutava contra a vozinha na minha cabeça me dizendo que eu tinha que me sair bem, tinha que provar que era boa. Eu até que saí contente do palco e satisfeita com minha apresentação, mas peguei segundo lugar no solo livre (não houve primeiro) e penúltimo lugar em solo de repertorio. Alem disso, o nosso conjunto Gavotte também não recebeu nenhuma classificação e nos sentimos muito injustiçadas. Foi absolutamente devastador.

Comecei a me perguntar por que haviam dias em que não achava que tinha me saído tão bem e ganhava boas notas, e dias em que pensava ter me saido super bem e não me classificava. Isso me ensinaria uma lição importante: os resultados não significam nada! E não importa o que as pessoas pensam também! O que importa é que você fez o seu melhor, e que se se sinta feliz por dentro. Não é bom focar-se em resultados. O melhor é encarar tudo como uma experiência, um aprendizado.

Eu me recuperei do choque e logo comecei a preparar seis variações clássicas e dois solos contemporâneos para o Premio Cecilia Kerche , evento organizado pela Stars Dance e realizado em Osvaldo Cruz. Naquele ano, teriam um júri internacional, e esse pequeno detalhe inesperadamente mudaria o curso da minha vida para sempre. Eu conquistaria o segundo lugar e seria uma das primeiras bailarinas a representar o Brasil no Youth America Grand Prix de Nova York, onde ganharia medalha de ouro e uma bolsa de estudos para estudar no exterior.

Humildade

A única vez em que realmente senti fazer Toshie orgulhosa foi depois de ganhar o YAGP. Foi a única vez em que me lembro tocarmos no assunto ‘resultados’ e comemorarmos. Toda vez que eu ganhava um festival, dona Toshie parecia não dar a mínima bola. Ela começava a me ignorar nas aulas. Geralmente ficava em cima de mim, dando correções e gritando meu nome pela sala, mas de repente ela começava a fingir que eu simplesmente não existia. Isso me incomodava muito, eu sempre me perguntava se tinha feito algo para chatea-la, mas concluí que isso era apenas sua maneira de dizer que não se importava com medalhas e que havia ainda muito trabalho pela frente. Ela não queria que o sucesso subisse à minha cabeça.

'Trabalhe com honestidade e seja sempre humilde, Isabella'

‘A união entre a experiência e dedicação da Mestra Toshie Kobayashi ao talento e esforço de Isabella, fez com que os resultados desse trabalho surgissem…’ (Veja reportagem acima)

O ballet exige um trabalho constante, e ser humilde é permitir-se continuar aprendendo, admitindo seus pontos fortes e fracos e trabalhando duro para melhorar. Ninguém é melhor ou merece mais do que ninguém. Se você trabalhar com honestidade e diligência, as pessoas saberão quem você realmente é.


Olhando para os meus primeiros passos como bailarina , percebo o quão longe cheguei! Quando olho para essas fotos, todas as emoções que senti naquela época ressurgem. Em nossa vida cotidiana, raramente paramos para refletir sobre nossas experiências e lições passadas e sobre os sonhos que carregamos na infância. Já os realizamos? Vale a pena lutar por mais?

Acabei de ler as memórias de Michelle Obama em Becoming e descobri muitas coisas de que me identifiquei. Algumas passagens de seu epílogo:

'Tornar-se [algo ou alguém] é nunca desistir da ideia de que há mais a ser feito.'

“Existe grande poder em permitir-se ser reconhecido e ouvido, em possuir sua história única, em usar sua voz autêntica. E há graça em estar disposto a conhecer e ouvir os outros.’

Obrigada por permitirem compartilhar a minha história. E agradeço aos meus pais que tem me enviado tantas imagens e fotos.


Como um último presente, meus pais encontraram um vídeo que montamos dezesseis anos atrás. (Vídeo acima, vale a pena assistir)


Gostaria de receber notificações sempre que eu postar um blog novo? Volte à Pagina Inicial que lá encontrará um formulário a preencher com seu email. :)

221 visualizações

Deixe-me saber o que você pensa

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com