'Welcome to the Royal Ballet!'

'Bem-vinda ao Royal Ballet!'

Versão em português abaixo


It took some getting used to how time flies when you're a dancer with the Royal Ballet. When I first joined the company, what most impressed me was the amount of rehearsals taking place in one day, how everyone managed to keep up with such swift change in repertoire whilst creating new ballets for upcoming seasons. My life seems to have changed its pace. Sometimes I even feel like I'm moving in autopilot. Before I know it, another month has gone by and when I look back, I'm astounded at how much we have managed to do in such short time.


Each company has a unique scheduling, depending on how many performances they do in a year, how many productions, studios, if they have a main theatre or mainly tour, the number of company members, etc. Adapting to a new routine and lifestyle is not easy, but one thing is certain: no matter what ballet company you are in the world, your day is always going to start with a warm up class.


Ballet class is our daily training. It not only prepares us for the day ahead, but also allows us to connect with our bodies, work on our technique and focus on whatever we feel needs improvement.

I like heading to work early and having plenty of time to warm up (prior to class), in the gym or studio, cycling or stretching and rolling my legs on a foam roller if they feel achy and tired. It really depends on how my body feels and what performance we had the night before. Sometimes the extra sleep is more beneficial than anything. You can also try and catch a physiotherapist at 9:30am, or book in with a Pilates instructor. The amazing facilities at the Healthcare Suite give us the opportunity to find what works best for us in terms of supporting our daily ballet training, be it gyro-tonic or Pilates or a gym session for strengthening and rehabilitation. It is different for each individual dancer.


Dancer in the Healthcare Suite, photo Andrej Uspenski

Our week may start with a stage rehearsal at 10:45am, meaning that class would have been at 9:30am. This usually happens a week or so prior to opening that production, having already rehearsed and ran the full ballet in the studio. Leading up to opening night, these morning stage calls can be in costume, make up, and hair. One must arrive pretty early in the theatre, get into full gear and be 'ready to rock n' roll!' (as says our coach Brian). Once the stage call is finished, we are back in the studios rehearsing something else, perhaps two or more things coming up in the repertoire. We all have our own individual schedules for rehearsals and appointments, costume fittings to attend, etc... You could be having an easy-peasy day, finishing in the early afternoon (LUXURY!) while somebody else is having back-to-back rehearsals without a proper lunch break.


The performance schedule of the Royal Ballet keeps us very busy. It varies from season to season, but we do around twelve productions a year; a mix of full-length ballets, triple bills, and new creations. It is amazing to be dancing such varied repertoire. We are very lucky to be able to do the big classics, the dramatic MacMillan and light-hearted Ashton ballets, to have our own resident choreographers at work and many guests coming to create on us, sometimes in collaboration with other companies. One never ever gets bored!


I believe there are on average one hundred and thirty performances a year on the main state, not to mention what goes on at the Linbury Theatre, insight evenings and other additional events.

Once a ballet is on stage, that doesn’t necessarily mean you stop rehearsing it in the studio. Usually there are a few different casts for each part, and so you must keep rehearsing a certain role until near your performance date. If your shows happen to be spread out, you must keep rehearsing in between those dates so you don't lose the stamina and all the details. That means things overlap in our schedule. You can be rehearsing three to four different ballets in a single day and performing another in the evening. We might need to use our fifteen-minute break in between rehearsals to go over the steps of a new ballet, have a little snack, use the toilet, decide what pointe shoes to wear, grab our tutus downstairs, and run to a different studio! It can be physically and mentally exhausting.


Rehearsing for La Bayadére, Nov 2018. Photo Bill Cooper
With experience, you learn how to pace yourself throughout the day, especially in periods when the workload is heavy.

Although you might feel like you're letting yourself down (and others) if you don’t give 110% effort in every rehearsal, there are days when you need to prioritise otherwise when it comes to the main event of the day (the performance!), your tank will be empty. It is hard to get over that mentality of trying to prove yourself, but I've come to understand that 'taking it a little easier' is not a sign of weakness or laziness, it is survival! In manic times, I try to make the most of my breaks and just unwind. I find it is important to find a moment for myself. I go outside for some fresh air and enjoy a cup of coffee, treat myself to something sweet, read a book, or do some studying.


At the Royal Ballet, one can be rehearsing up to two hours before the curtain goes up, but every company has a different schedule. Some evenings I barely have time to eat and catch my breath. Before I know it, it’s time to start getting my make-up done. I like getting ready early, warming up slowly. I usually go up to a free studio and do my own barre, then get into costume and go down to the stage aiming to have enough time to practice a few steps or mark through some spacing, remember corrections, and visualise how I want my performance to go... This 'ritual' calms me down and gets my mind focused. Sometimes I am a bit more chilled and don't need such preparation, it depends on the repertoire.

Photo taken prior to a show of Concerto @theroyalballetstyle by Marcelino Sambe

I've been on board this roller-coaster ride that makes up life at the Royal Opera House for six years now, and I truly admire those who dedicate their entire lives to this place. This level of mental and physical endurance is something I did not anticipate, but one I have learned to adapt to. Being a professional dancer entails learning to pace yourself, so that you can perform at your highest level. It is like learning how to get through a four-act ballet, finding moments to breathe and 'rest' on stage.


A lot happens before the curtain goes up in the evening, but at the end of the day, it's all about giving your best to the audience.

I do catch myself complaining at times, out of fatigue or mere grumpiness. Don't we love complaining about everything?! But having come a long way to get here, I can appreciate every moment of being in this theatre as something truly special. The response we get from the audience at curtain calls, the flowers received from fans and family, and the shower of praise through social media, makes it all worth it. But none of this would matter for me if I didn't feel happy and a sense of inner peace, like I'm accomplishing my mission. It is definitely not easy, but so rewarding. A very high price to pay if one does not enjoy every bit of the process, from setting the barre in the morning to that final bow.


#theatre #royalballet #royaloperahouse #companylife #ballet #dancer #performance #stage #rehersal #routine #dance

'Bem-vinda ao Royal Ballet!'

Demorou um pouco para eu me acostumar com o ritmo de vida de um bailarino do Royal Ballet. Quando entrei na companhia, o que mais me impressionou foi a quantidade de ensaios ocorrendo em um único dia, como todos conseguiam acompanhar essa mudança rápida no repertório e ao mesmo tempo criar novos balés para as próximas temporadas. O tempo voa. Às vezes até sinto que estou vivendo em piloto automático. Antes que eu perceba, outro mês se passou e quando olho para trás, fico surpresa com o quanto conseguimos fazer em poucas semanas!


Cada companhia possui um ritmo e agenda, dependendo de quantas apresentações fazem por ano, quantas produções, estúdios, se têm um teatro principal ou fazem turnê, o número de bailarinos, etc. Adaptar-se a uma nova rotina e estilo de vida não é fácil. Mas uma coisa é certa: não importa em qual cia de balé você esteja no mundo, seu dia sempre começará com uma aula de aquecimento.


A aula de balé é o nosso treinamento diário. Ela não apenas nos prepara para o dia, mas também nos permite conectar-se com nossos corpos, trabalhar nossa técnica e focar no que sentimos que precisa ser aprimorado.

Eu gosto de chegar cedo ao trabalho e ter tempo para me aquecer (antes da aula), na academia ou sala de aula, fazendo bicicleta ou me alongando e massageando as pernas em um ‘foam roller’ se me sinto dolorida e cansada. Realmente depende de como meu corpo se sente e do que dancei na noite anterior. Às vezes, alguns minutos a mais de sono é mais benéfico do que qualquer coisa. Você também pode começar o dia com uma sessão de fisioterapia ou com um instrutor de Pilates. As instalações do Healthcare Suite nos dão a oportunidade de encontrar o que funciona melhor para nós em termos de suporte ao treinamento diário de balé, seja girotonic ou Pilates ou uma sessão de condicionamento para fortalecer e em casos de reabilitação. Cada bailarino é diferente e sabe o que mais o ajuda.


Nossa semana pode começar com um ensaio às 10h45, o que significa que a aula teria sido às 9h30. Isso geralmente ocorre uma semana antes da abertura de cada produção, já tendo ensaiado e executado o ballet completo no estúdio. Antes da noite de abertura, essas chamadas matinais ao palco podem ser com figurino, maquiagem e cabelo. É preciso chegar bem cedo no teatro, entrar em pleno ritmo e estar pronto para o ‘rock and roll’! (como diz nosso professor). Quando o ensaio de palco termina, estamos de volta aos estúdios ensaiando outro ballet, talvez duas ou mais coisas que virão no repertório. Todos nós temos nossos horários individuais para ensaios e compromissos, provas de figurino, etc. Você pode estar tendo um dia tranquilo, terminando no início da tarde (que LUXO!), enquanto outra pessoa está fazendo um ensaio atrás do outro sem tempo adequado para o almoço.


O cronograma de apresentações no Royal Ballet nos mantém MUITO ocupados! Varia de temporada a temporada, mas fazemos cerca de doze produções por ano; uma mistura de balés completos, mixed programmes e novas criações. É incrível dançar um repertório tão variado. Temos muita sorte de poder fazer os grandes clássicos, os dramáticos balés de MacMillan e cômicos de Ashton, ter nossos próprios coreógrafos residentes e muitos coreógrafos convidados vindo criar novos ballets aqui. Impossível ficar entediado!


Acredito que, em média, temos cento e trinta apresentações por ano no palco principal, sem mencionar o que acontece no Linbury Theatre, noites de insight e outros eventos adicionais.

Quando um balé está no palco, isso não significa necessariamente que você deixa de ensaiá-lo no estúdio. Geralmente, existem elencos diferentes para cada parte e, portanto, você deve ensaiar um determinado papel até que seja sua vez de apresenta-lo. Se suas apresentações estiverem espalhadas, você deve continuar ensaiando entre essas datas para não perder a resistência e lembrar de todos os detalhes. Isso significa que as coisas se sobrepõem em nossa programação. Você pode ensaiar três a quatro balés diferentes em um único dia e realizar um diferente à noite. Podemos precisar de nosso intervalo de quinze minutos entre os ensaios para relembrar os passos de um novo balé, comer um lanche, ir ao banheiro, decidir quais sapatilhas usar, pegar nosso tutus no andar de baixo e correr para um estúdio diferente! Isso é fisicamente e mentalmente desgastante.

Com experiência, você aprende a se dosar durante o dia, especialmente em períodos em que a carga de trabalho é pesada.

Embora você sinta que está se decepcionando (e a outros) se não der 110% de esforço em todos os ensaios, há dias em que você precisa priorizar de alguma forma, senão na hora do evento principal do dia (a apresentação!), estará exausta antes mesmo de começar. É difícil superar essa mentalidade de tentar provar a si mesmo, mas entendi que 'pegar leve' não é sinônimo de fraqueza ou preguiça, é sobrevivência! Nos tempos maníacos, tento tirar o máximo proveito das minhas pausas para apenas relaxar. Acho importante encontrar um momento para mim. Saio para tomar um pouco de ar fresco e saborear uma xícara de café com bolinho, ler um livro, ou estudar.


No Royal Ballet, é possível ensaiarmos até duas horas antes da apresentação, mas toda cia tem um horário diferente. Algumas noites, mal tenho tempo para comer e recuperar o fôlego. Quando olho no relógio, já é hora de começar a fazer a maquiagem. Gosto de me aprontar cedo, de me aquecer lentamente. Normalmente, vou a um estúdio, faço minha própria barra, então me visto e desço para o palco com tempo suficiente para praticar alguns passos ou marcar algo no espaço, lembrar das correções, e visualizar como eu quero que corra minha apresentação. Esse 'ritual' me acalma e foca minha mente. Às vezes, sinto-me um pouco menos ansiosa e não preciso de tal preparação, mas depende muito do repertório. No final do dia, tudo se resume a dar o melhor de si para o público.


Estou nessa montanha-russa que compõe a vida na Royal Opera House há seis anos, e admiro muito aqueles que dedicam uma vida toda a esse lugar. Esse nível de resistência física e mental é algo que não havia previsto, mas aprendi a me adaptar. Ser bailarino profissional requere aprender a dosar seu esforço para que você possa se apresentar no seu nível mais alto. É como aprender a passar por um ballet de quatro atos, encontrando momentos para respirar e 'descansar' no palco.


Muita coisa ja aconteceu antes que a cortina se abra, mas no fim do dia, o que realmente importa é aquilo que oferecemos ao publico.

As vezes me pego reclamando por cansaço ou puro mal-humor. Quem não gosta de reclamar de tudo?! Mas, tendo percorrido um longo caminho para chegar até aqui, posso apreciar cada momento de estar neste teatro como algo verdadeiramente especial. A reação que recebemos da platéia nos agradecimentos, flores recebidas dos fãs e da família, e a chuva de elogios pelas redes sociais fazem tudo valer a pena. Mas nada disso importaria para mim se eu não me sentisse feliz e não tivesse uma sensação de paz interior, como se estivesse cumprindo minha missão. Definitivamente não é uma carreira fácil, mas é muito gratificante. Um preço alto a pagar se você não aproveitar todo o processo, desde posicionar a barra de manhã até aquele agradecimento final.

430 visualizações

Deixe-me saber o que você pensa

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com